Por um mundo no qual trabalhemos menos

May 2, 2017

Blog da Milly

Estamos debatendo apaixonadamente o que o governo chama de terceirização do trabalho, e dentro dessa discussão falamos de carga horária, de benefícios e de segurança. Não achamos correto que a carga horária passe de 8 para 12 horas, não achamos correto que o trabalhador perca benefícios como 13º, férias, licença maternidade, tampouco achamos certo que ele ou ela possa perder o emprego da noite para o dia e tenha que sair de mãos abanando. Nada disso parece de fato correto, embora governo e mídia, em um dueto macabro, tentem nos convencer de que tudo está sendo feito para o nosso bem.

Mas há uma outra discussão importante, e ela diz respeito à qualidade do trabalho que trabalhamos hoje.

Políticos como Doria e Temer seguem tentando vender o conceito de que a nobreza de caráter está em trabalhar sem reclamar e sem parar, em nome de um país melhor, e não…

View original post 903 more words


Em defesa do caos

April 30, 2017

Blog da Milly

O segredo mais bem guardado do Capitalismo se chama conflito de classes. Sempre que o conceito ameaça ganhar a superfície, é imediatamente ridicularizado e bombardeado por preconceito.

Faz sentido. Se a classe média acabar entendendo o que ele significa o sistema desmorona de dentro para fora, então é natural que o poder econômico trate de mantê-lo longe do nosso alcance. “Isso não existe”, “É coisa de comuna”, “É tentativa de jogar uns contra os outros”, grita o sistema quando escuta falar em “conflito de classes”.

O oxigênio do capitalismo é justamente a tensão entre as classes, e para que não tomemos conhecimento disso as instituições tratam também de evitar que o homem que popularizou a ideia seja reconhecido como um dos maiores filósofos da humanidade: Karl Marx.

Mas para o professor de econômica Richard Wolff, o fato de o trabalhador não ter consciência de que ele trabalha produzindo um excedente…

View original post 747 more words


Politzer: por uma psicologia concreta

April 18, 2017

Blog da Boitempo

Por José Paulo Netto.

No Brasil, boa parte dos jovens brasileiros que, no final dos anos 1950 e na entrada dos anos 1960, se interessaram pelo marxismo conheceu Georges Politzer primeiramente como autor de um manual de filosofia e, depois, como um herói da Resistência Francesa.

View original post 1,432 more words


A fome como sintoma de um sistema doente

March 30, 2017

Blog da Milly

Quase 800 milhões de seres humanos vivem com fome crônica no planeta hoje. Nesse mesmo planeta as relações de produção foram arranjadas de modo a fazer com que enquanto crianças morrem por não ter o que comer 1/3 da comida produzida seja jogada fora ou desperdiçada.

Existe, portanto, uma produção de comida no mundo capaz de eliminar a fome, o que não existe é interesse de mercado para que a fome seja eliminada.

Isso porque o objetivo do capitalismo não é alimentar pessoas, mas lucrar com as pessoas, nem que para isso um punhado de milhões delas tenha que morrer.

Um dos paradoxos aqui é que essa super-produção de alimentos é fartamente subsidiada por governos, esses mesmos governos que, braços dados com o mercado, assistem passivamente o alimento ser desperdiçado.

E esse mesmo governo gasta esforços, dinheiro e tempo convencendo suas populações, através da propaganda e do noticiário, que políticas sociais…

View original post 497 more words


O que é violência?

March 28, 2017

Mais uma vez, já é uma constante, não há uma palavra a ser acrescentada neste post da Milly. Só tenho que reblogar e divulgar.

Blog da Milly

A gente aprende que violência é quando você está andando pela rua e um moleque rouba sua carteira, ou quando entram na sua casa e tiram de lá coisas de valor, ou quando quebram o vidro do seu carro e pegam sua bolsa. Mas passou da hora de entendermos violência para além da delinquência.

Violência é também e principalmente quando o Estado rouba direitos conquistados pelo trabalhador. Acabar com a aposentadoria é uma forma de violência. Acabar com férias remuneradas, 13º salário, licença maternidade, fundo de garantia e seguro-desemprego são formas brutais de violência. Formas ainda maiores do que as que conhecemos como delinquência porque são elas que geram, afinal, o delinquente.

Rasgar um programa de governo eleito no voto é uma forma de violência. Pintar os muros da cidade de cinza apagando a arte que ali havia é outra forma de violência. Ser contra a mão pesada do Estado para oferecer comida a…

View original post 455 more words


O Dialético Ilyenkov

March 22, 2017

Adquiri um livro de Ilienkov na antiga livraria Cosmos na rua da Quitanda no Rio de Janeiro, em plena ditadura. A livraria mantida por Viktor, um simpático senhor, tipicamente russo, era uma pequena mostra do universo literário russo. Tempos depois, perdi-o, mas outra vez pude recuperá-lo, agora em formato digital, no http://www.marxists.org.
Continuo apreciando-o. Foi por meio dele que comecei a entender a dialética hegeliana, principalmente a lógica. Trata-se de um livro denso, mas que traça um panorama geral da história da filosofia e ressalta os pontos principais da teoria revolucionária de Marx, Engels e Lênin.

Fonte: O Dialético Ilyenkov


Sociedad Latinoamericana György Lukács: uma excelente ideia

March 13, 2017

Excelente ideia!!

Blog da Boitempo

Por José Paulo Netto.

Esta coluna mensal – espaço propiciado pelos responsáveis pelo Blog da Boitempo e que vem contando com a benevolência dos leitores –, cujo objetivo muito singelo é exercitar uma forma simples, mas séria, de divulgação cultural, seria este mês dedicada a um marxista pouco referido entre nós. Ela teria por objeto a obra e a biografia de G. Politzer, assassinado pela Gestapo, nos arredores de Paris, em 23 de maio de 1942. Mas a conversa sobre Politzer ficará para o próximo mês, substituída pela importância de repercutir uma iniciativa cultural muito relevante.

View original post 1,263 more words