O outro lado do espelho: mirar a esquerda e repensar o futuro

September 19, 2017

Blog da Boitempo

Por Antonio Carlos Mazzeo.

“À esquerda, à esquerda, à esquerda!
Em frente, à conquista
dos Oceanos!”
Vladmir Maiakóvski, À Esquerda.

Nestas notas, esboço algumas considerações sobre o PT. Obviamente, não há espaço aqui, para refazer a história desse partido. Mas, nestas breves noterelle sobre sua trajetória, ressalto que apesar de ter nascido de uma grande e poderosa movimentação de lutas dos trabalhadores e de ter aglutinado um amplo espectro ideológico de esquerda dentro de suas fileiras – socialdemocratas, trade-unionistas, socialistas católicos, comunistas, eurocomunistas, ex-comunistas, ex-guerrilheiros, trotskistas, nacionais-libertadores, liberais radicalizados, etc – esse partido nunca se constituiu como uma organização revolucionária.1 Ao contrário, no próprio processo de construção e de consolidação, o PT foi adquirindo uma feição cada vez mais adequada à ordem burguesa, na medida em que se afirmava como partido institucional e conquistava governos, municipais e estaduais, sendo que nesse processo, a luta interna furiosa e muitas…

View original post 1,425 more words

Advertisements

Sob o véu do cretinismo

September 12, 2017

Blog da Milly

Quando o véu do cretinismo cai sobre qualquer sociedade uma das primeiras vítimas é a expressão artística. Sempre foi assim, e dessa vez não tem sido diferente.

O cretinismo está inundando nossa civilização por todos os lados. Dorias, Trumps, Janaínas, Kataguiris… são muitos os agentes entregues ao exercício de propagar a imbecilidade, a ignorância, o preconceito, o classismo e tudo o mais que serve para nos reduzir a coisas e nos tirar vida.

O que o MBL fez com a exposição patrocinada pelo Santander Cultural em Porto Alegre com obras de Portinari, Volpi e Lygia Clark vai entrar para a história como uma das ações mais estúpidas e intolerantes pelas quais já passamos – supondo que haja registros e que sobrevivamos a esse período triste de uma história que tem sido escrita por mãos como as de Trumps e Dorias, duas expressões do mesmo tipo miúdo de politiquices e politiquetes.

View original post 254 more words


“Veneno puro!” Iná Camargo Costa escreve sobre “Ensaios sobre Brecht”, de Walter Benjamin

August 25, 2017

+ Brecht, – Odebrecht!
Impresso em uma camisa de um manifestante no Rio de Janeiro.

Blog da Boitempo

Por Iná Camargo Costa.

A Boitempo acaba de lançar Ensaios sobre Brecht, de Walter Benjamin. Inédita no Brasil, a obra reúne todos os escritos de Benjamin sobre Brecht, dos ensaios às passagens em seus diários, todos traduzidos diretamente do original em alemão. Além do posfácio de Rolf Tiedman, edição alemã de 1966, a edição vem acrescida ainda de textos complementares escritos por Sérgio de Carvalho e José Antonio Pasta, além de uma cronologia casada de Benjamin e Brecht, e bibliografia. A publicação integra a coleção “Marxismo e literatura”, coordenada por Michael Löwy na Boitempo. Leia, abaixo, o texto de orelha escrito por Iná Camargo Costa, pedrada de melhor qualidade.

Ao final do post, saiba mais sobre o debate de lançamento que reunirá José Antonio Pasta, Sérgio de Carvalho e Iná Camargo Costa, marcado para a segunda-feira que vem, dia 28/8, em São Paulo!

* *…

View original post 728 more words


Boitempo realiza edição especial do Curso Livre Marx-Engels!

August 23, 2017

Blog da Boitempo

O Curso Livre Marx-Engels está de volta!

Em comemoração aos 150 anos d’O capital, a Boitempo realiza em São Paulo, em parceria com a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), a quinta edição do Curso Livre Marx-Engels, dessa vez dedicada inteiramente à obra máxima do barbudo, nos dias 6, 7, 8 e 14 de junho. A iniciativa dá continuidade a uma tradição de cursos livres organizados pela Boitempo desde 2008, ano da primeira edição de seu prestigiado Curso Livre Marx-Engels, também em parceria com a PUC-SP. Preparamos para breve uma edição semelhante do curso a ser realizada no Rio de Janeiro… Acompanhe nossas redes sociais!

Organizado pelo professor Marcelo Carcanholo, o curso – que também marca o lançamento do augardado Livro III de O capital, de Marx, e do livro Nós que amávamos tanto O capital: leituras de Marx no Brasil

View original post 972 more words


The Myth of “Totalitarianism”

August 15, 2017

The Red Phoenix

The basic outlook of those who uphold the concept of "totalitarianism." The basic outlook of those who uphold the concept of “totalitarianism.”

One doesn’t need to search for long to discover that words like “totalitarian,” “fascist” and “political extremist” are all the rage nowadays. Most often they serve as little more than personal attacks, rather than accurate descriptions of the forces at play. To call an opponent a “fascist” is one of the most groan-inducing clichés of the modern times. While much can be said about each of these words, and what they actually mean, it is worth noting that while “fascist” has a very particular political and historical meaning, and the phrase “political extremism” is extremely relative, the word “totalitarian” literally has no meaning at all.

One could say that, like “fascist,” it has become a meaningless buzzword, but that would be incorrect, since unlike fascism it was always a meaningless buzzword meant to smear any system that doesn’t follow…

View original post 1,066 more words


Pelo fim do diálogo

August 13, 2017

Blog da Milly

Acho que chegou a hora de a gente admitir que não há mais espaço para diálogo. Nunca houve, aliás. Porque não se dialoga com racistas, com nazistas, como fascistas, como homofóbicos. O que estamos fazendo ao confundir liberdade de expressão com liberdade de opressão é criar ambiente para que homens brancos hétero-normativizados, esses que dominam o mundo há séculos, achem que podem sair às ruas e cantar seus ódios livremente. Não, não podem. Não deveriam poder.

A preguiça em relação ao politicamente correto é uma preguiça ignorante. É chato ser o politicamente correto da turma e ficar corrigindo todo mundo a toda hora, claro, mas é mais chato que uma mulher seja estuprada a cada 11 minutos, é mais chato que mesmo depois de termos passado pelo Holocausto ainda haja nazistas que se orgulhem de ser nazistas e saiam livremente por aí entoando seu ódio, é mais chato que todos…

View original post 367 more words


A força da desobediência

July 31, 2017

Blog da Milly

Em tempos de desespero precisamos que pessoas comuns mostrem que a transgressão e a rebeldia podem nos elevar a um lugar menos sombrio.

A história do diplomata português Aristides de Souza Mendes deveria ser contada, recontada e celebrada por todos nós, mas infelizmente vivemos em uma sociedade que ecoa o nome de assassinos em séries e políticos corruptos, mas não o nome de homens como Souza Mendes.

O português era o cônsul na cidade de Bordeaux quando, em 1940, os nazistas invadiram a França pelo norte levando milhares de judeus a tentar escapar cruzando as fronteiras. Mas para escapar eles precisavam de vistos para Espanha e Portugal. Quando uma multidão de judeus cercou o consulado português em Bordeaux implorando pelo papel que salvaria suas vidas o governo português proibiu seus cônsules de emitirem vistos.

Souza Mendes decidiu que isso não estava certo e trabalhou durante dez dias e dez noites…

View original post 179 more words